Atalho para Facebook
Atalho para Twitter
Atalho para Youtube
Atalho para Facebook
Atalho para Twitter
Atalho para Youtube

espaço

Wednesday, 10 de may de 2017

MPSP desarticula esquema de desvios na saúde pública em Cajamar

Justiça decretou a prisão preventiva de dois réus
Justiça decretou a prisão preventiva de dois réus

A Justiça decretou a prisão preventiva de dois réus pelos crimes de peculato, organização criminosa e lavagem de dinheiro envolvendo a saúde pública do município de Cajamar. A denúncia foi oferecida pela promotora de Justiça Thaís de Almeida Smanio.

 

Os crimes aconteceram quando Luiz Teixeira da Silva Junior atuava como procurador e representante Federação Nacional das Entidades Sociais e Comunitárias (Fenaesc), contratada pelo município de Cajamar para gerir o Hospital Municipal Enfermeiro Antônio Policarpo de Oliveira. Silva Junior contratou sua esposa, Liliane Bernardo Rios da Silva, para a diretoria financeira da federação com remuneração mensal de R$ 14 mil, embora ela nunca tenha exercido de fato essa função.

 

O réu firmou contrato de prestação de serviços médicos com a empresa Nossa Senhora do Livramento Remoções Ltda., criada e registrada em nome de “laranjas”. Quem realmente administrava a empresa eram Silva Junior e Liliane, com o objetivo de dissimular as movimentações financeiras e encobrir a origem e destinação das quantias desviadas. Mensalmente eram repassadas quantias vultosas da conta da federação para a conta da empresa para o pagamento dos médicos contratados.

 

O casal ordenava aos funcionários do setor financeiro da Fenaesc que elaborassem notas fiscais para pagamento dos médicos com valor superfaturado. Desta forma, o valor que constava nas notas era repassado da federação para a Livramento e a diferença era desviada para as contas particulares dos réus. Os desvios ocorreram pelo menos 108 vezes.

 

A investigação revelou que SIlva Junior e Liliane usavam o dinheiro para o pagamento do aluguel da igreja que frequentavam, a Adalpha, através da empresa Interunion, no valor de R$ 70 mil mensais. Eram feitos, ainda, pagamentos mensais para a matriz da Fenaesc, que na realidade eram destinados à empresa pertencente Luiz Cesar Piedade Novaes, diretor estatutário da federação e um dos denunciados pela promotora de Justiça.


Outro réu é Leonardo Deruiche Martins, responsável por falsificar documentos, como notas fiscais e declarações. Ele é dono de um jornal e de uma revista de Cajamar e foi contratado por Teixeira para prestar serviços de comunicação.


Núcleo de Comunicação Social

Ministério Público do Estado de São Paulo - Rua Riachuelo, 115 – São Paulo (SP)
comunicacao@mpsp.mp.br | Tel: (11) 3119-9027 / 9028 / 9031 / 9032 / 9039 / 9040 / 9095
espaço
espaço

MINISTÉRIO PÚBLICO DO ESTADO DE SÃO PAULO

Rua Riachuelo, 115 - São Paulo - CEP 01007-904 - PABX: 11 3119.9000

Horário de Atendimento: das 9h às 19h

Todos os direitos reservados

 
espaço