Atalho para Facebook
Atalho para Twitter
Atalho para Youtube
Atalho para Instagram
Atalho para Facebook
Atalho para Twitter
Atalho para Youtube
Atalho para Instagram

espaço

Thursday , 06 de june de 2019

Vereador e secretário de Paulínia são afastados dos cargos a pedido de Promotoria

Ambos estão entre réus por extorsão e associação criminosa
Ambos estão entre réus por extorsão e associação criminosa

A pedido da Promotoria de Justiça de Paulínia, o vereador Ademilson Jeferson Paes e o secretário de Desenvolvimento Econômico do município, Elizaman de Jesus Lopes, foram afastados de seus cargos públicos. Os dois estão entre os 11 denunciados pelos promotores de Justiça Fernanda Elias de Carvalho Lucci, André Perche Lucke e Verônica Silva de Oliveira. Todos os réus foram acusados de associação criminosa e extorsão. Em decisão da última sexta-feira (31/5), o Judiciário recebeu a denúncia (convertendo os denunciados em réus) e ainda decretou a prisão preventiva de Daniel Freire da Silva, José Augusto dos Santos Filho e Murilo Bispo Sousa. Daniel e José Augusto foram presos na última quarta-feira, enquanto Murilo segue foragido.

Já a Adriano Luiz de França, Adalberto de França, Rodrigo de Souza Silva e Bruno Alcides Correia foram impostas medidas cautelares como a obrigação de comparecer mensalmente em Juízo para justificar atividades e atualizar endereços, proibição de deixar a Comarca por mais de 7 dias sem autorização judicial e de entrar em contato com vítimas e testemunhas do processo. Assim como Paes e Lopes, todos ficam ainda proibidos de entrar na Cooperativa de Trabalhadores Desempregados de Paulínia e de Cosmópolis", na Prefeitura e na Câmara de Paulínia. 

De acordo com a denúncia, os réus se associaram com o fim de praticar o crime de extorsão contra representantes de empresas prestadoras de serviço da Refinaria de Paulínia (Replan). Ao dividir as tarefas do grupo, eles definiram que Ademilson ficaria responsável por defender as pautas da Cooperativa de Trabalhadores Desempregados de Paulínia junto ao Legislativo e por inserir, assim que possível, Elizaman no Executivo local. O objetivo era garantir maior poder de pressão ao grupo criminoso.

Elizaman e Adriano ficaram encarregados de exercer o comando de duas cooperativas informais localizadas na cidade de Paulínia e de Cosmópolis. Por meio destas cooperativas informais de trabalhadores, seriam arregimentadas pessoas desempregadas que pretendessem trabalhar nas empresas prestadoras de serviços na Refinaria de Paulínia. Nesse sentido, ficou acertado que os dois réus iriam extorquir representantes das empresas que tivessem poder na indicação nas admissões de pessoal que trabalhariam dentro da refinaria. As indicações não levavam em conta o fato de os trabalhadores possuíam ou não qualificação necessária ao desempenho das funções. 

Os denunciados acertaram que, na prática do crime de extorsão, Elizaman e Adriano iriam exercer grave ameaça e violência contra as vítimas, constrangendo-as a realizarem contratações de pessoas para trabalharem nas empresas terceirizadas que prestavam serviços na Replan. O grupo promoveu ameaças via redes sociais e organizaram piquetes e paralisações de funcionários na porta da refinaria, "de modo a impedir ou prejudicar a prestação de serviços pelos funcionários das empresas cujas vítimas não realizassem as contratações que determinavam; impedindo que trabalhadores que seriam contratados e que não estavam a eles vinculados realizassem os exames admissionais, dentre outros métodos coativos, sempre executados de modo muito truculento", diz a denúncia. 

Os demais réus atuavam auxiliando na busca de trabalhadores desempregados que ficassem atraídos pela oportunidade de recolocação no mercado de trabalho e incitando trabalhadores a participarem de paralisações, argumentando que, com isso, eles seriam empregados pela Replan. 

Segundo a Promotoria, a finalidade da associação criminosa era a obtenção de vantagem econômica, que se daria indiretamente, mediante o pagamento de mensalidades por trabalhadores atraídos pelo êxito das cooperativas ilegais. 

Além de Elizaman, Ademilson, Daniel, José Augusto, Murilo, Adriano, Adalberto, Rodrigo e Bruno, foram denunciados Alexsandro Aparecido Vaes e Andrea Barbosa Dezo de França. 


Núcleo de Comunicação Social

Ministério Público do Estado de São Paulo - Rua Riachuelo, 115 – São Paulo (SP)
comunicacao@mpsp.mp.br | Tel: (11) 3119-9027 / 9028 / 9031 / 9032 / 9039 / 9040 / 9095
espaço
espaço

MINISTÉRIO PÚBLICO DO ESTADO DE SÃO PAULO

Rua Riachuelo, 115 - São Paulo - CEP 01007-904 - PABX: 11 3119.9000

Horário de Atendimento: das 9h às 19h

Todos os direitos reservados

 
espaço