espaço

Friday , 11 de october de 2019

Grupo que lesou investidores com "pirâmide" tem bens bloqueados a pedido do MPSP

Réus agiam em Jundiaí com promessas de investimentos
Réus agiam em Jundiaí com promessas de investimentos

O Ministério Público de São Paulo obteve liminar determinando a indisponibilidade de bens de três homens e nove empresas por envolvimento na prática, na região de Jundiaí, de pirâmide financeira, tipificada como crime contra a economia popular. A medida atinge bens imóveis, veículos licenciados em nome dos réus, contas bancárias e aplicações financeiras. 

Na ação, o promotor de Justiça Fabiano Severiano alega que inquérito civil apontou que Ronaldo Douglas Barros Moreira, Anderson Rodrigo de Barros Moreira e Dario Rogério de Barros Moreira, assim como as empresas ligadas a eles, formaram o “Grupo Moreira/RDA”. Por meio deste, os réus iludiram consumidores com promessas de rendimentos superiores aos praticados no mercado. Na verdade, tratava-se de um esquema de pirâmide financeira que, ao ruir, causou pesados prejuízos financeiros aos investidores e provocou a propositura de inúmeras ações, levadas ao Judiciário local. O grupo não contava com autorização da Comissão de Valores Mobiliários para exercício da atividade de administração profissional de carteira de valores.

No processo em que a liminar foi concedida, o promotor frisou que o objetivo é não apenas buscar a condenação dos réus a reparar os danos causados às vítimas, mas também desafogar a máquina judiciária em Jundiaí, já que só Ronaldo, por exemplo, aparece como réu em mais de 900 processos judiciais, o que demonstra a extensão do dano causado aos consumidores.

"(...) a partir da falsa promessa de um índice de sucesso dos investimentos em percentual elevado, e não encontrável no mercado, ou seja, de 4% ao mês, bem como da propagandeada solidez e dinâmica das empresas do 'Grupo Moreira/RDA', os réus Ronaldo, Dario e Anderson criaram uma infundada crença coletiva de que se tratavam de profissionais altamente gabaritados e especializados em gestão de valores mobiliários, atraindo para seus domínios milhares de consumidores incautos. Apurou-se que dos verdadeiros talentos profissionais dos requeridos nenhum deles poderia ser listado como relacionados à administração de valores mobiliários, dado que o indigitado sucesso era, na verdade, fruto de uma planejada e estruturada 'pirâmide financeira'", diz o promotor na ação.


Núcleo de Comunicação Social

Ministério Público do Estado de São Paulo - Rua Riachuelo, 115 – São Paulo (SP)
comunicacao@mpsp.mp.br | Tel: (11) 3119-9027 / 9028 / 9031 / 9032 / 9039 / 9040 / 9095
espaço
espaço

MINISTÉRIO PÚBLICO DO ESTADO DE SÃO PAULO

Rua Riachuelo, 115 - São Paulo - CEP 01007-904 - PABX: 11 3119.9000

Horário de Atendimento: das 9h às 19h

Todos os direitos reservados

 
espaço