Gaeco obtém transferência de traficante para o RDD por atentado a jornal

O Grupo de Atuação Especial de Combate ao Crime Organizado (Gaeco) – Núcleo Campinas - , com o auxílio a Promotoria de Justiça de Execuções Criminais da Capital, obteve, nesta quinta-feira (3), a transferência do seqüestrador Wanderson Nilton de Paula Lima, o Andinho, para o Regime Disciplinar Diferenciado (RDD). A transferência de Andinho foi solicitada pelos promotores do Gaeco em razão do atentado praticado em janeiro contra a sede da Rede Anhangüera de Comunicação, de Campinas, que edita o jornal “Correio Popular. Cinco pessoas foram presas pelo envolvimento no arremesso de duas granadas no prédio da empresa de comunicação após a publicação de reportagem traçando um perfil de Andinho e noticiando o seu casamento na Penitenciária de Presidente Venceslau, onde cumpre pena por vários seqüestros praticados na região de Campinas entre 1998 e 2001.

O juiz da 5ª Vara de Execuções Criminais da Capital deferiu a internação cautelar de Andinho no Regime Disciplinar Diferenciado (RDD) pelo prazo de 90 dias.  No RDD, o preso fica recolhido em cela individual e tem o banho de sol limitado em duas horas diárias. Além disso, só pode receber visita de duas pessoas por semana, pelo período máximo de duas horas.

Andinho é apontado como o mandante do atentado ao jornal, que não fez vítimas porque as granadas não explodiram.