MP faz operação de busca e apreensão na região de Rio Preto para apurar fraude em licitação

O Ministério Público, por meio do Grupo de Atuação Especial de Combate ao Crime Organizado (GAECO) – Núcleo São José do Rio Preto, deflagrou na manhã desta quarta-feira (18), em conjunto com a Polícia Militar, uma operação de cumprimento de mandados de busca e apreensão em São José do Rio Preto, Nhandeara e Guapiaçu.

A operação é resultado de inquérito civil instaurado na Promotoria de Justiça de Nhandeara para investigar suposta fraude em licitação para reforma e ampliação da creche do município de Floreal, que pertencente à Comarca de Nhandeara.

Durante quatro horas, cinco promotores de Justiça, 10 servidores do Ministério Público e cerca de 50 policiais militares realizaram diligências em quatro residências localizadas em São José do Rio Preto (uma delas situada em condomínio de alto padrão) e Nhandeara, no escritório de uma empresa de construção civil de São José do Rio Preto, e um imóvel que era utilizado por outra empresa de construção civil, possivelmente de “fachada”, localizado em Guapiaçu. Centenas de documentos, diversos computadores, aparelhos celulares e várias mídias foram apreendidos na operação.

Todo o material apreendido será analisado no inquérito civil aberto em fevereiro de 2010 para apurar suposto direcionamento de licitação, pela Prefeitura de Floreal, para favorecimento de um empresário, que teria conseguido a verba para a reforma e ampliação da creche municipal por meio de emenda parlamentar. Além da análise dos documentos e do conteúdo dos computadores e mídias apreendidas, o Ministério Público ainda vai colher o depoimento de várias pessoas envolvidas.

Como os fatos investigados supostamente envolvem o prefeito de Floreal, Gilberto de Grande, o procurador-geral de Justiça, Fernando Grella Vieira, requisitou a instauração de inquérito policial para apurar a participação do Chefe de Executivo. O inquérito é acompanhado pelos procuradores de Justiça que atuam na Câmara Especial de Crimes Praticados por Prefeito, responsável pelas providências no âmbito penal em relação aos prefeitos, em razão da prerrogativa de função.